Índice: Capítulo
1920 a 1926: Revista “Folhetos do Graal”, Mensagem do Graal edição de 1926
01
1926 a 1931: “Der Ruf”, Folhetos do Graal, Mensagem do Graal edição de 1931
02
1931 a 1938: Ressonâncias à Mensagem, Revista “Die Stimme”
03
1938 a 1941: Reordenação da Mensagem do Graal, última edição
04
Resumo
05
Apêndice
06

Capítulo 01

1920 a 1026: revista “Folhetos do Graal”
Na Luz da Verdade – Mensagem do Graal, edição de 1926

Já a partir de 1920, Oskar Ernst Bernhardt começou a dar e também a redigir palestras sobre questões que desafiavam as pessoas ao seu redor.

Nos anos de 1923/24, publicou, sob o nome de Abd-ru-shin (“Abdruschin”), dissertações e respostas a perguntas em sete folhetos avulsos, os “Folhetos do Graal”, série I, no “Verlag der Gralsblätter” (“Editora dos Folhetos do Graal”) em Bad Heilbrunn (Alemanha), no domicílio de até então da família Bernhardt.

Como autor das dissertações da sua Mensagem do Graal, Oskar Ernst Bernhardt utilizou o nome de Abd-ru-shin no sentido de “servo (filho) da Luz”. A primeira forma escrita do nome foi “Abdruschin”, mas também a forma “Abd-ru-shin” já foi utilizada nos “Folhetos do Graal”, se bem que ainda raramente. Esta ortografia impôs-se, então, a partir dos meados dos anos trinta.

“Folhetos do Graal” série I, fascículo 3 e 4

“Folhetos do Graal” série I
Títulos das dissertações, também como respostas a perguntas que foram publicadas posteriormente em forma de dissertações:

  • FASCÍCULO 1
  • O que procurais?
  • Vivei (título posterior: Despertai!)
  • O grande enigma
    (título posterior: O silêncio)
  • Redenção (título posterior: Ascensão)
  • FASCÍCULO 5
  • O homem e seu livre arbítrio
  • A moderna ciência do espírito
  • Caminhos errados
    Respostas a perguntas, entre outros, sobre a “virgindade” de Maria na promissão
  • FASCÍCULO 6
  • Lançai sobre Ele toda a culpa
  • Antes que surgisse Abraão, eu sou
  • O crime da hipnose
  • Astrologia
  • Simbolismo no destino humano
  • A crença
  • Bens terrenos
  • A morte
  • Milagres
  • Batismo
  • FASCÍCULO 2
  • Responsabilidade
  • Destino
  • A criação do homem
  • O homem na Criação
  • Pecado hereditário
  • Filho de Deus e Filho do Homem
  • Deus
  • A voz interior
    Resposta a perguntas sobre a religião do amor
  • FASCÍCULO 3
  • O Salvador
  • O mistério do nascimento
  • É aconselhável o ensino do ocultismo?
  • Espiritismo
  • Preso à Terra
  • A abstinência sexual adianta, espiritualmente?
  • Respostas a perguntas, entre outros, sobre a imaculada concepção
  • FASCÍCULO 7
  • O Santo Graal
  • O enigma Lúcifer
  • As regiões das trevas e a condenação
  • As regiões da Luz e o Paraíso
  • O evolver universal
  • O homem e o animal
  • Respostas a perguntas, entre outros, sobre a ciência e a humanidade
  • FASCÍCULO 4
  • O Juízo Final
  • A luta
  • Formas de pensamentos
  • Moralidade
  • O casamento
  • A oração

No ano de 1926, Abd-ru-shin reuniu a maioria das suas palestras editadas até então nos “Folhetos do Graal”, série I, em forma de livro, e as publicou na “Editora dos Folhetos do Graal” Oskar Ernst Bernhardt, Tutzing (Alemanha), sob o título

“Na Luz da Verdade – nova Mensagem do Graal de Abdruschin”.

Essa edição da Mensagem do Graal (índice no anexo) também é designada “kleine Ausgabe” (“pequena edição”) ou “lila Ausgabe” (“edição lilás”) ou, ainda, “Tutzinger Ausgabe” (“edição de Tutzing, domicílio de até então da família e sede da editora) da Mensagem do Graal.


“Pequena edição”, “edição lilás” ou “edição de Tutzing”
 
Do fascículo I dos “Folhetos do Graal” série I, foi publicada somente a dissertação “O que procurais?” na edição da Mensagem do Graal de 1926. As dissertações “Vivei!” (título posterior na edição de 1931 e na edição “última versão”: “Despertai!”), “O grande enigma” (título posterior: “O silêncio”) e “Redenção” (título posterior: “Ascensão”) ainda não tinham sido inseridas nessa edição. Abd-ru-shin também não considerou a dissertação “Antes que surgisse Abraão, eu sou”.

Respostas às perguntas dos fascículos antes mencionados foram lançadas então como dissertações, como por exemplo, as dissertações “A religião do amor” e “A separação entre a humanidade e a ciência”. As dissertações “Espírito” e “Desenvolvimento da criação” concluíram a edição da Mensagem do Graal de 1926. Até então, ainda não tinham sido publicadas. Porém no fascículo 7 dos “Folhetos do Graal”, no último da série I, já havia uma indicação para uma dissertação posterior sobre “A criação”.

Justamente a reordenação das respostas a perguntas sobre palestras demonstra a “comunicação recíproca” entre o autor e seus leitores e ouvintes. A compreensão – ou a incompreensão – deles, as suas perguntas e seus estímulos muitas vezes foram a “palavra-chave” para outras novas palestras. Desde o princípio, então, a natureza espiritual e interior dos seres humanos, de certo modo foi a chave para a forma da mensagem a ser transmitida. Este processo prosseguiu até à nova ordenação das palestras durante a sua estadia em Kipsdorf como “última edição”.

Assim, na composição da edição da Mensagem do Graal de 1926, Abd-ru-shin de forma alguma se sentiu preso à sequencia anterior de suas palestras nos “Folhetos do Graal”. Pelo contrário, ele se serviu da possibilidade de organizar as suas palestras de tal modo como julgava necessário e certo naquela altura.